Silka

1989_Ilselosa_silka_manuelaBacelarSilka / Ilse Losa ; il. Manuela Bacelar. – Porto : Afrontamento, 1989. – 42, [3] p. : il. ; 24 cm. – (Tretas e letras ; 22)

«Este livro relata uma lenda nórdica que um dia contaram a Ilse Losa e que ela agora nos conta à sua maneira: bela e triste. Com as ilustrações deste livro ganhou Manuela Bacelar a Maçã de Ouro da Bienal Internacional de Ilustração de Bratislava, bem como o Prémio Gulbenkian de Ilustração.» Ficha wook

Ver aqui descrição bibliográfica de ambas edições (1984 e 1989)

Sugestões:

One response to “Silka

  1. Manuela DLRamos

    Sugestões:
    Ver apresentação em Prezi de um aluno do 9º ano sobre esta obra
    ————–
    Ler 1º capítulo:
    «Numa viagem por terras bálticas apeei-me, certa tarde de calor, numa extensa praia de areia lisa. Descalcei-me e pus-me a caminhar ao longo do mar, calmo como os lagos das florestas. Tão grande era o silêncio em redor que me parecia ouvir as vibrações do ar e a agitação dos peixes na água.
    Caminhando assim, a passo lento, sem hora marcada, deparei com um aglomerado de casinhas desabitadas, de pedras toscas enegrecidas pelo tempo, sem portas nem janelas. Resolvi entrar numa delas, mas mal pus o pé na soleira da porta o mar empinou-se em ondas ruidosas que se quebravam aos meus pés e alastravam pela areia, numa espuma hostil de tão fria. Era como se uma grande mão inimiga me tocasse.
    Assustada, afastei-me em direcção ao monte do outro lado das dunas e das tristes casinhas vazias, o qual, visto assim de baixo, me parecia bastante calvo. Resolvi subir. Chegado ao cimo, vi que o mar voltara à sua calma, tal como o tinha encontrado ao chegar.
    Nisto os meus olhos caíram sobre um grupo de quatro árvores que naquele lugar ermo, sem mais nenhuma vegetação, faziam o efeito de terem sido expulsas para o deserto. Entre um pinheiro e um cipreste, ambos de porte solene, havia um choupo de aspecto frágil, cujas folhas, verdes de um lado e prateadas do outro, tremiam sem cessar. Atrás elevava-se uma faia, majestosa no esplendor do seu tronco sem mácula e da sua volumosa copa de folhas cor de sangue. Dir-se-ia que os outros dois, o pinheiro e o cipreste, se aconchegavam na sua sombra como num quente abraço maternal.
    “Como terão estas árvores vindo parar aqui, a este monte abandonado?”, perguntava de mim para mim, quando ouvi uma voz:
    – Belas árvores, não são?
    Ao meu lado estava um velho, de olhos amáveis por detrás das lentes grossas.
    – São belas, sim – concordei. – Mas estranho vê-las aqui e serem cada uma da sua espécie.
    O velho apontou para as casas desabitadas, em baixo, junto ao mar:
    – E não estranha também aquelas casas, sem portas nem janelas?
    Respondi que sim, que elas me surpreenderam, e que o mar se enfurecera quando eu quisera entrar numa delas.
    – Não me admiro – disse ele. – O mar vigia-as com rancor, pois certo dia viu todos os habitantes fugirem delas, apavorados, para nunca mais voltares.
    – Mas porque é que fugiram?
    – Porque viram o mar tingir-se da cor do sangue, da mesma cor das folhas desta faia.
    Mal ele tinha acabado de falar, as folhas – seria ilusão minha? – sussurraram por uns breves instantes como em confidência amigável.
    – É uma história longa – continuou o velho –, mas se tiver tempo e paciência gostava de lha contar.
    Eu tinha tempo, pois andava em viagem de recreio. E paciência para ouvir uma história, raras vezes me falta.
    Ele convidou-me com um gesto a sentar-me junto de si, num rochedo perto das quatro árvores, e começou a contar a história mais extraordinária que eu jamais ouvira.» Transcrito daqui ;
    Texto completo aqui

    —————-

    Guião de exploração de um capítulo
    A leitura “O hóspede inesperado” (trabalho realizado no âmbito da formação “Ler em família: viagens partilhadas (com a escola?)” Madalena Moniz Faria Lobo San-Bento e Cláudia Nobre

    —————–
    Teste de português sobre o capítulo: “O visitante da noite”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s